ANESE

Endereço: Rua Bernardo de Vasconcelos, nº. 434 - sl. 202. Realengo. Rio de Janeiro - RJ | CEP: 21710-262 -

Atendimento: De Segunda a Sexta-feira Das 09:00h às 17:00h Horário de almoço: Das 12:00h às 13:00

TEL.: 21 3579-7512

TRADUTOR DO GOOGLE

Total de visualizações de página

contador

SITE DA ANESE

Assine a Petição pública pelo fim da multa da rais

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

ESCÂNDALO NA UNIDADE HOSPITALAR DA MARINHA NO RIO DE JANEIRO

DENÚNCIA DE ASSÉDIO SEXUAL

Grave denúncia de assédio sexual dentro de unidade hospitalar Naval é investigada pela Marinha do Rio. Sargento acusa médico de ter usado a autoridade que possui para coagi-lo até que ele cedeu e aceitou receber sexo oral dentro do consultório. Se não aceitasse, denuncia, o profissional não lhe daria a esperada alta hospitalar.
O caso ultrapassou os muros do unidade no bairro de Jacarepaguá, na Zona Norte, e, antes de ser objeto exclusivo de investigação interna, foi registrado em delegacia de polícia e gerou laudo do Instituto Médico Legal do governo do estado. A denúncia parte de um terceiro sargento que serve em unidade da Marinha na Avenida Brasil. Segundo informou à polícia, o caso aconteceu há um mês. Foi no domingo, 29 de agosto.
O terceiro sargento já apresentava, conforme relatou na acusação, problemas como depressão, insônia e estresse. Tratado, estava tomando medicamentos controlados. Na terça-feira anterior ao episódio do assédio, ele tomou medicação "um pouco acima" da que estava na receita. Sem saber direito os efeitos pelos quais passaria, procurou o hospital da Marinha.
Foi atendido. Seu caso foi tratado como suposta "tentativa de suicídio". Após uma noite de observação, foi transferido no dia seguinte para Unidade Integrada de Saúde Mental da Marinha. Ficou internado no lugar chamado "ala 2". Cuidado por uma equipe, permaneceu no hospital até o domingo seguinte, quando passaria por uma avaliação.
<<<<<<<<<<<<<<<<<<<
HOSPITAL 2
NO CONSULTÓRIO
Na consulta do dia 29, o sargento passaria por avaliação de rotina em um consultório médico. Foi atendido por um profissional que não o estava tratando. Teria ouvido desse médico que estava bem e que não havia motivos para ele permanecer internado.
<<<<<<<<<<<<<<<<<
HOSPITAL 3
DURANTE O EXAME
Segundo o sargento, o médico fez o exame de rotina e começou o assédio quando quando chegou à região pubiana. Após reação do sargento, que informou que queria sair dali, o médico teria dito que "poderia lhe dar alta" se ele cedesse ao assédio.
<<<<<<<<<<<<<<<<<
HOSPITAL 4
"COCHA" E AMEAÇA
O médico teria se oferecido ainda para ser "cocha" (termo usado na Marinha para "padrinho") do sargento caso ele aceitasse o assédio. Após nova reação, teria sido ameaçado. Ficaria internado por mais tempo e em ala para pacientes mais graves ("ala 3").
<<<<<<<<<<<<<<<<<
HOSPITAL 5
QUEIXA A OFICIAL DE DIA
Após o assédio consumado, o sargento foi liberado, mas ficou transtornado. Levou o caso ao oficial de serviço, que o encaminhou para o IML com ofício interno. No IML ouviu que não poderia ser feito exame com documento da Marinha e sim com pedido de uma delegacia.
<<<<<<<<<<<<<<<<<<<
HOSPITAL 6
PRESENÇA DE SALIVA
O caso foi registrado na 32ª DP (Taquara), que encaminhou o sargento para o exame de corpo de delito no IML. Lá o legista colheu amostras e afirmou que seria possível detectar presença de saliva no pênis do sargento. O caso deixou a DP e agora é investigado pela Marinha.
<<<<<<<<<<<<<<<<<<<
HOSPITAL 7
SINDICÂNCIA ABERTA
Procurada pela Coluna, a Marinha informou que a denúncia "contra o médico civil ensejou abertura, em 30 de agosto, de uma sindicância, para apuração de materialidade do caso". A sindicância está prevista para ser concluída até a primeira semana de outubro.
Confira abaixo a íntegra das duas notas da Marinha encaminhadas à Coluna Força Militar de O DIA

NOTA DE ESCLARECIMENTO
O Comando do 1º Distrito Naval esclarece que em 29 de agosto de 2010
chegou ao conhecimento da Direção da Unidade Integrada de Saúde Mental (UISM)
a reclamação de um paciente quanto ao atendimento do médico civil plantonista
(domingo). O paciente foi encaminhando à 32ª DP, onde registrou a ocorrência.
Esta denúncia ensejou a abertura, em 30 de agosto, de uma Sindicância, para
apuração de materialidade do caso em pauta, com prazo de conclusão em até 40 dias.
NOTA DE ESCLARECIMENTO - 2
Em relação à denúncia publicada no portal "Força Militar", do Jornal O Dia, em 25 de
setembro, o Comando do 1º Distrito Naval esclarece que, a respeito do suposto assédio ocorrido em
unidade hospitalar da Marinha, a suposta vítima estava internada na Unidade Integrada de Saúde
Mental (UISM), localizada no bairro de Jacarepaguá, zona oeste, e não no Hospital Naval Marcílio
Dias (HNMD) que fica no bairro do Lins de Vasconcelos, zona norte da cidade. Cabe ressaltar que
a vítima foi assistida por um médico plantonista civil da UISM.
Para a apuração do fato a Direção da UISM instaurou em 30 de agosto uma sindicância
que foi convertida para um Inquérito Policial Militar com prazo de conclusão em até 40 dias.

FONTE: http://odia.terra.com.br/blog/forcamilitar/

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

REUNIÃO ANESE-AMAZONAS 23.09.2010 - SENADOR ARTHUR VIRGÍLIO PROMETE EMPENHO APÓS A ELEIÇÃO PRA AJUDAR AOS ANESIANOS

Dia 23 de setembro de 2010, o Senador Arthur Virgílio, firmou mais uma vez o compromisso conosco, e ainda, disse que assim que passar o período eleitoral, vai imediatamente lutar por nós! NÃO VAMOS PARAR A LUTA! É SÓ PASSAR A ELEIÇÃO QUE A GUERRA CONTINUA! ANESE-AM!

sábado, 11 de setembro de 2010

PROTESTO ANESE - RJ 07.09.2010

O protesto do dia 07 de setembro de 2010 no Rio de Janeiro, foi marcado pelo grande empenho dos guerreiros que estavam lá presentes. A galera chegou cedo, por volta das 07:00 da manhã, e conseguiu ficar bem próximo ao palanque em frente as autoridades presentes das 03 forças militares. O que mais chamou a atenção dos Anesianos, foi a presença no palanque dos Deputados Federais Jair Bolsonaro PP/RJ e Marcelo Itagiba PSDB/RJ. Antes de se iniciar o protesto, a PE (Polícia do Exécito) tentou intimidar a família ANESE com vários cães de raça (pitbul, pastor alemão), sem sucesso. Quando começou o desfile pra valer, A ANESE aplaudia a passagem das tropas, no entanto quando a FAB foi anunciada pelo locutor do desfile, parecia que o Brasil tinha ganho a final da copa do mundo, foi uma comemoração e tanto, pois soltamos o grito de justiça que estava atravessado em nossas gargantas por mais um ano. Em toda a passagem da FAB pelo desfile, nós gritávamos somente: Justiça e FAB devolve nossa carreira. O No momento das manifestações pacíficas, todo o palanque olhava para a ANESE para tentar entender o que estava acontecendo, enquanto os militares da FAB que estavam no palanque estavam no canto direito no final do palanque, por não ter que se expor a tanta pressão que vinha de nossos gritos por justiça. A imprensa mais uma vez, não deu a visibilidade que necessitávamos ....sempre assim... mais tudo bem Deus está vendo. No final do desfile houve muita conversa com os deputados presentes mais os Oficiais Generais, inclusive o Comandante do Terceiro Comando Aéreo Regional (3º COMAR), que teve que dar explicações sobre o manifesto da ANESE no dia 07 de setembro de 2010. Queremos aqui agradecer a participação de todos os ANESIANOS presentes que deram o seu melhor para que mais uma vez, não passasse em Branco nosso grito de Justiça. Ficamos muito tristes em manifestar pelo 4º ano consecutivo, pois se ao menos fossemos ouvidos pelo Comando da Aeronáutica e houvésse ao menos um acordo com a Diretoria Nacional da ANESE, nada disso teria acontecido com a instituição na qual amamos.....FORÇA AÉREA BRASILEIRA......NÓS ANESIANOS AMAMOS DEMAIS A INSTITUIÇÃO FAB.....SÓ QUEREMOS NOSSA CARREIRA DE VOLTA.........

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

NOVA DOAÇÃO DE SANGUE DA ANESE - AMAZONAS NO MÊS DE SETEMBRO DE 2010

Horário: 09:00h (do dia mais votado)

Traje: ANESE - CAMISA AMARELA


O DIA ESCOLHIDO SERÁ PROVAVELMENTE DIA 18 DE SETEMBRO DE 2010 (SÁBADO)


PEDIMOS PARA QUE TODOS OS NÚCLEOS POSSAM SE ESPELHAR NO ESTADO DO AMAZONAS, POIS DOAR SANGUE, É DOAR VIDA.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

PROTESTO ANESE - MARANHÃO 07.09.2010

Foi considerado pelos integrantes do movimento, um sucesso a movimentação dos ex-soldados especializados no Maranhão no dia 07 de setembro; com bandeiras próximo ao palanque, provavelmente chamou a atenção de alguma autoridade, pois, um Tenente Coronel da PM atendendo ordens superiores, veio ordenar para que baixássemos as faixas e somente colocássemos após a cavalaria da PM passasse, a última; assim, orientei aos participantes que atendessemos, por mostrar a todos que somos ordeiros e disciplinados; mas ao final, alguns colegas com a maior algazarra me chamou de medroso[...], não é do meu perfil desobeder autoridade e nem enfrentar, não é com esse tipo de enfrentamento que conseguiremos nosso objetivo; todos concordaram que conseguimos o que almejamos, chamar atenção de autoridades naquele momento, se a imprensa não fizer reportagem, deve ser por medo, receio, sei lá o que; mas que chamamos a atenção, não temos a menor dúvida disso.
Em anexo fotos do evento, informo que consideramos a atitude do coronel dentro da normalidade tendo em vista que cumpre ordens superiores. Não é nosso objetivo enfrentar, desobedecer, se abusare, denunciemos, mas neste caso, não foi considerado abuso[...]

Em tempo: gostaria de registrar a atuação relevante dos integrantes Marlon e Coelho, ambos vem se destacando no movimento, muito interessados; gostaria de sugerir à direção nacional da Anese que designasse esses dois para assumir o núcleo aqui no Maranhão, seguidos deles, há outros com notável intesse também, que eles mesmos podem sugerir para auxiliar nos trabalhos do núcleo no Maranhão. Quanto a mim, continuarei integrante, mas a renovação é uma coisa salutar, fico no aguardo de uma breve manifestação da Anese Nacional sobre o assunto e publique informações atualizadas sobre o núcleo no Maranhão.

PROTESTO ANESE - AMAZONAS 07.09.2010

SENADOR JEFERSON PRAIA PRESTIGIA A ANESE EM MANAUS

7 setembro

7 de setembro sempre marcado pela participação nos desfiles militares no sambódromo e o sol escaldante e hoje foi diferente com chuva a ANESE AMAZONAS estava na platéia onde podia ver os Comandantes do VII Comar, do CMA e da Marinha e da Marinha do Peru e o Governador do Amazonas, estávamos com uma faixa e muitas pessoas nos procuraram para saber sobre a ANESE e tiraram muitas fotos acompanhavamos o hino e aplaudimos os desfiles e as pessoas nos acompanhavam.

PROTESTO ANESE - PARÁ 07.09.2010

PROTESTO ANESE - DISTRITO FEDERAL 07.09.2010 CHAMA ATENÇÃO DO PRESIDENTE LULA E O MINISTRO DA DEFESA NELSON JOBIM


Companheiros da ANESE-DF, com a liderança do Caxias e Marcelo que chegaram no local do desfile as 4:00 da manhã junto com seus filhos e esposas, ficaram em frente ao palanque onde se encontravam o Presidente Lula e o Ministro da Defesa Nelson Jobim. Durante o Desfile, os guerreiros de Brasília levantaram a faixa pedindo para que o Presidente devolvesse o emprego do PAI das crianças. Após o levantamento da faixa, seguranças do Presidenciais foram até o Caxias e Marcelo pedindo para recolher a faixa. Com este grande gesto de heroísmo, nossos companheiros conseguiram uma agenda nessa semana, com a Ministra Chefe da Casa Civil onde despacha o Presidente Lula. O que mais chamou a atenção, foi o Presidente Lula falando no pé do ouvido com o Ministro da Defesa Nelson Jobim sobre os dizeres da faixa.

OS COMPANHEIROS DO DF CHEGAM AS 4:00 DA MANHÃ NO LOCAL DO DESFILE
OS COMPANHEIROS DA ANESE-DF ABREM A FAIXA

O PRESIDENTE LULA APÓS VISUALIZAR A FAIXA COMENTA COM O MINISTRO DA DEFESA NO PÉ DO OUVIDO

SEGURANÇAS DO PRESIDENTE TENTAM ARRANCAR A FAIXA DA ANESE


ANESE - GOIÁS NO DESFILE MILITAR DE SETE DE SETEMBRO DE 2010

A ANESE-GO fez no dia 07 de setembro de 2010, panfletagem para a população e outros integrantes, ficaramcom a faixa de frente ao palanque principal, onde estavam todas as autoridades e falaram com muitos oficiais superiores sobre a causa dos ex soldados da ANESE. De acordo com Edson (Diretor da ANESE-GO) - A repercussão foi muito boa, demos entrevista a uma rádio importante de Anápolis. 

ANESE - CEARÁ . Cearenses lutam para voltar a integrar a FAB - ANESE CE É DIVULGADA NA MÍDIA

Cerca de 12 mil pessoas no Brasil lutam para voltar a integrar a Força Aérea Brasileira (FAB). Do Ceará, estima-se que sejam entre 500 e 700 na mesma situação
Angélica Feitosa - 06/09/2010 02:00
Christopher Rocha foi obrigado a deixar as Forças Armadas em 2001. De lá para cá, teve de dar um jeito. “Desde então, eu sou taxista. Alugo a vaga do carro e a do táxi. Trabalho de segunda a segunda, 12 horas por dia. Se não trabalhar, não como e não dou alimento à minha família”, descreve ele, pai de dois filhos. O taxista, no entanto, agradece a sorte e lamenta o fato de que muitos ex-soldados da Força Aérea Brasileira estarem, até hoje, desempregados. Ele não perde as esperanças e sonha, em breve, voltar ao posto de soldado especial da FAB.
Assim como outras 12 mil pessoas espalhadas pelo País, e por volta de 500 a 700 somente no Ceará, Christopher foi um dos selecionados por concurso e serviu meia dúzia de anos à FAB, certo de que não seria dispensado. No caso do atual taxista, o ofício foi de 1995 a 2001. Os milhares de ex-soldados alegam que foram informados de que estavam incluídos no Serviço Militar Temporário ao fim desse período de seis anos. Tiveram de fazer as malas e voltar para casa. Tramita no Senado Federal projeto de Decreto Legislativo número 399/2010, que determina a reincorporação dos homens aos quadros militares da FAB.

Ednardo de Menezes, presidente da Associação Nacional dos Ex-soldados da Aeronáutica, seção Ceará, afirma que o argumento dos ex-militares é que eles teriam ingressado na Aeronáutica por concurso público, em cargos de carreira. Nesse caso, as demissões não teriam justificativa. Ednardo foi um dos aprovados, em 1999 e dispensado em 2005. “Não nos encaixamos nos soldados temporários. No concurso, não existe nenhuma lei que regula a entrada ou saída da gente”, pontua. Segundo informa Ednardo, em todo o País, foram deferidas a favor dos ex-soldados, 27 processos.

Um soldado de primeira classe (S1) ganha, em média, R$ 1,4 mil.Os concursos foram realizados de 1994 a 2001, ou seja, a última turma dos soldados foi dispensada em 2007.

A Força Aérea Brasileira, por sua vez, é contrária à volta dos soldados. A FAB informou, por nota, que o tempo de permanência de soldados no serviço ativo é disciplinado por Decreto Federal, da Lei Militar. Os decretos 880, de 1993 e o 3690, de 2000, estipulam um aumento do tempo máximo de serviço em seis anos. “A Justiça tem acolhido essa justificativa ao analisar eventuais ações de ex-soldados. Para continuar na carreira, os referidos militares dependeriam de aprovação em concurso público para oficial, sargento ou cabo”, justifica a nota.
O QUE DIZ A LEI
>Decreto nº 880, de 23 de julho de 1993, que vigorou até 2000. Art 24 – Poderá ser concedida prorrogação do tempo de serviço, mediante engajamento em continuação do Serviço Militar Inicial ou reengajamento, por meio de requerimento do interessado à Diretoria de Administração do Pessoal (DIRAP), observando o seguinte:


> Parágrafo 3º - O Soldado de Primeira Classe S1 pode obter prorrogação do tempo de serviço até o limite máximo de seis anos de serviço. O Decreto nº 3690, de 19 de dezembro de 2000, que substituiu a norma anterior, manteve a fixação do período máximo de serviço.

FONTE: http://opovo.uol.com.br/app/opovo/fortaleza/2010/09/06/interna_fortaleza,2039141/cearenses-lutam-para-voltar-a-integrar-a-fab.shtml#lcoment

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

DISCURSO DO SENADOR JEFERSON PRAIA PDT - AM DIA 01.09.2010



O SR. JEFFERSON PRAIA (PDT – AM. Pronuncia o seguinte discurso. Sem revisão do orador.) – Obrigado, Sr. Presidente, serei breve até porque gostaria de ouvir os demais oradores.
Sr. Presidente, desejo destacar a presença nesta Casa de representantes da Associação Nacional dos ex-Soldados Especializados da Aeronáutica. A pedido da Delegação da Anese – Associação Nacional dos ex-Soldados Especializados da Aeronáutica –, passo a ler texto de ofício por mim encaminhado aos Ministros Erenice Guerra, da Casa Civil da Presidência da República, e Nelson Jobim, da Defesa.
Srs. Ministros,
Fui visitado ontem, terça-feira, em meu gabinete no Senado Federal, por integrantes da Associação Nacional dos ex-Soldados Especializados da Aeronáutica – Anese, que luta pela reintegração de cerca de 12 mil jovens às funções que desempenharam durante seis anos, aprovados que foram em concurso público para o curso de especialização de soldados da Força Aérea Brasileira.
Tal certame foi levado a público a partir do segundo semestre de 1994 até 2001 pelo Comando da Aeronáutica, tendo o curso, realizado semestralmente sob o título de Cesd, a finalidade de formar soldados com especialização específica para preencher diversos cargos dentro daquela valorosa instituição.
Ocorreu, porém, que esses soldados foram tristemente surpreendidos com a edição do Decreto nº 3.690, de 19 de dezembro de 2000, que os “licenciou” (isto é, demitiu), sob a alegação de que estariam prestando serviço militar oficial.
Ora, a Anese contesta tal alegação, lembrando que:
1º Os editais de convocação para o concurso exigiam, entre outras condições, que os candidatos fossem reservistas. Em outras palavras, que estivessem quites com o serviço militar inicial.
2º O art. 44 do próprio regulamento da Lei do Serviço Militar proíbe o alistamento por duas vezes, estabelecendo que o “brasileiro que se alista duas vezes incorrerá na multa prevista no inciso I do art. 177”.
Em poucas palavras, passados seis anos de serviços prestados à Nação, esses 12 mil jovens viram-se, de repente, tratados como soldados não especializados, não concursados, oriundos do serviço inicial obrigatório, muito embora os diplomas de qualificação que receberam comprovem que os seus portadores formaram-se “soldados de primeira classe especializados”, não oriundos do serviço militar inicial.
Diante do exposto, faço um apelo para os bons. É claro que eu também gostaria que houvesse, neste momento, senso de justiça, sensibilidade humana e espírito público por parte de V. Exªs no sentido de que o Governo do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva revogue o Capítulo V – do tempo de permanência do serviço militar – do referido Decreto nº 3.690, de 19 de dezembro de 2000, que “aprova o regulamento do corpo de pessoal graduado da Aeronáutica e dá outras providências”. No que tange ao licenciamento de aprovados em concursos públicos de admissão ao Cesd – Curso de Especialização de Soldados, estendendo-se essa proibição aos concursos públicos de admissão ao dito Cesd, realizados entre os anos de 1994 e 2001.
Solicito que o meu pronunciamento sobre todos os projetos e sobre a questão da Anese sejam considerados na íntegra.
Muito obrigado, Sr. Presidente.


FONTE: http://www.senado.gov.br/atividade/plenario/sessao/disc/getTexto.asp?s=154.4.53.O&disc=128/3/S

Soldados afastados pedem aprovação de projeto que os reintegra à Aeronáutica

/NOTÍCIAS
PLENÁRIO / Votações
31/08/2010 - 18h09
Soldados afastados pedem aprovação de projeto que os reintegra à Aeronáutica
Matéria retificada em 01/09/2010 às 17h55
Um grupo de ex-servidores da Força Aérea Brasileira aproveitou a semana de esforço concentrado no Senado Federal para pressionar os parlamentares pela aprovação de projeto de decreto legislativo que permite a reintegração de cerca de 12 mil soldados afastados da Aeronáutica de 2000 a 2008.
De autoria do senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), o projeto susta artigo do decreto que autorizou o afastamento de soldados aprovados por concurso público para integrar a Aeronáutica. Eles, que já estavam quites com o serviço militar obrigatório, passaram no curso de especialização e se tornaram soldados de primeira classe especializados. Entretanto, a partir de 2000, o Comando da Aeronáutica os licenciou sob a justificativa de que estavam prestando o serviço militar inicial e que o contrato era temporário. Mas estar em dia com suas obrigações militares foi requisito para a realização do concurso, lembrou o senador Flexa Ribeiro na justificativa do projeto.
Os ex-servidores da Força Aérea conversaram com senadores e tentaram obter dos líderes partidários o compromisso de votação da matéria. O PDS 399/10, no entanto, não está pronto para a ordem do dia de votações, pois o senador Romero Jucá (PMDB-RR) apresentou requerimento para que seja avaliado pela Comissão de Relações Exteriores (CRE), além da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), onde a matéria estava tramitando antes do requerimento de Jucá.
João Carlos Viegas, vice-presidente da Associação Nacional dos Ex-soldados Especializados da Aeronáutica (Anese), disse acredita que o governo não quer a aprovação do projeto, daí as dificuldades que vêm sendo enfrentadas para a sua aprovação. Ele salientou a importância da medida que, conforme afirmou, "vai dar dignidade a muitos pais de família".
Elina Rodrigues Pozzebom / Agência Senado
(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)
 
FONTE: http://www.senado.gov.br/noticias/verNoticia.aspx?codNoticia=104183&codAplicativo=2
 
104183

31/08/2010 - 20:56 SITE DO SENADO

Ex-militares querem suspender demissão de 12 mil soldados especializados



LOC: CERCA DE 500 EX-SOLDADOS DA AERONÁUTICA ESTÃO ACAMPADOS EM FRENTE AO PALÁCIO DO CONGRESSO NACIONAL DESDE DOMINGO.


LOC: ELES REIVINDICAM A APROVAÇÃO DE UMA PROPOSTA QUE SUSPENDE A DEMISSÃO DE 12 MIL SOLDADOS ESPECIALIZADOS QUE PRESTARAM CONCURSO PÚBLICO.



Apesar de o edital não mencionar que a seleção era para trabalho temporário, cerca de 12 mil soldados especializados, que prestaram concurso entre os anos de 1994 e 2001, foram demitidos pelo Comando da Aeronáutica, após 6 anos de serviço. A dispensa foi baseada no decreto 880 de 1993, que diz que a atividade de soldado especializado é exercida por oficial de nível inicial. Por lei, esses soldados só podem prestar serviço às Forças Armadas em caráter temporário. Mas, segundo o vice-presidente da associação dos ex-soldados especializados, que foram demitidos, o edital do concurso exigia que o candidato já tivesse concluído o serviço militar inicial e, portanto, os aprovados não se enquadrariam no que diz o decreto. (João Carlos) Em nenhum momento o edital dizia que o nosso concurso era temporário e que iríamos ficar seis anos. Mas após seis anos a Força Aérea Brasileira começou a demitir seus militares concursados sob a alegação de que nosso concurso era temporário. Alguns viraram moradores de rua, estão passando fome, porque a Aeronáutica preparou esses homens, deu instruções de armamento, deu instrução militar e após seis anos de bom serviços prestados, foram mandados embora sem uma Lei. (REP) Uma proposta que susta o decreto que permitiu a demissão dos soldados especializados está na pauta da Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Para o autor da matéria, senador Flexa Ribeiro, do PSDB do Pará, houve um equívoco por parte do Comando da Aeronáutica, que deve ser corrigido pelo Congresso Nacional. Já o líder do governo, senador Romero Jucá, do PMDB de Roraima, apresentou um requerimento pedindo que a proposta seja analisada por mais uma comissão. O governo quer mais tempo para avaliar a proposta. (ROMERO JUCÁ) O governo quer mais prazo, vai avaliar o quadro, é o ingresso, o retorno de um efetivo grande, e precisa ter recurso para isso acontecer. Então por enquanto a posição do governo é de não acontecer o retorno. (REP) Um projeto semelhante, que permite o reingresso dos soldados especializados demitidos, está em análise na Câmara dos Deputados.



Paula Gróba 

FONTE: http://www.senado.gov.br/noticias/Radio/programaConteudoPadrao.asp?COD_TIPO_PROGRAMA=4&COD_AUDIO=30935

JORNAL CORREIO BRAZILIENSE DE 01.09.2010

Dispensados tentam voltar para Aeronáutica


 
Cerca de 200 ex-soldados da Aeronáutica de diversos estados acamparam ontem em frente ao Congresso Nacional para pressionar os parlamentares pela aprovação do Projeto de Decreto Legislativo 399/2010. A proposta prevê a reintegração de 12 mil ex-militares dispensados desde 2001, após seis anos de serviços prestados à corporação. Enquanto a Força Aérea Brasileira (FAB) alega que o contrato deles correspondia ao de soldados não especializados (oriundos do serviço obrigatório e, portanto, temporários), os manifestantes argumentam serem servidores de carreira, aprovados em concurso público. A mobilização busca aproveitar o esforço concentrado dos parlamentares durante as primeiras semanas do mês para que a proposta seja finalmente votada.

CADASTRE SEU E-MAIL, RECEBA NOTÍCIAS DO NOSSO BLOG

Pesquisar este blog

FRAUDES NA FORÇA AÉREA BRASILEIRA